O que é um centro de tratamento da dor? Parte 1

dor e equipeQuando olhamos para os efeitos do tratamento da dor, encontramos de cara que o tratamentos multimodais são os melhores. Isso significa que foram oferecidas múltiplas modalidades de tratamento e que somaram seus efeitos para produzir o resultado final.

Onde podemos encontrar este tratamento? Em centros especializados, ou também chamados de centros de tratamento da dor. Existem vários tipos de serviços de dor, mas vamos falar especificamente de 3 tipos.

As mais comuns são as clínicas de dor, que normalmente oferecem apenas uma modalidade, em consultórios isolados de médicos, psicólogos ou fisioterapeutas. Mesmo que estes profissionais ofereçam vários tipos de tratamentos diferentes (comum na fisioterapia), são considerados unimodais.

Em um número crescente, porém tímido ainda, temos os centros multidisciplinares, onde vários profissionais de áreas distintas trabalham juntos, não necessariamente no mesmo local, oferecem múltiplos tratamentos, porém cada no seu quadrado. Existe pouca ou nenhuma integração e comunicação entre os profissionais.

E por fim, ainda bastante utópico, aparecem os raros centros interdisciplinares de dor, onde existe integração e comunicação frequente, todos trabalhando no mesmo local e dividindo as responsabilidades multimodais.

Da clínica ao centro interdisciplinar o caminho é nebuloso. O trabalho em equipe exige várias habilidades do profissional, que devem ser treinadas ao longo de sua formação acadêmica, mas que também podem evoluir durante a formação profissional.

Um serviço só de fisioterapeutas, que se coloca como um serviço multidisciplinar, na verdade não é. Um serviço onde só existem médicos trabalhando com dor é uma clínica médica de dor apenas.

Por isso, é estritamente importante que se conheça o papel, as responsabilidades e as competências de cada profissão dentro de uma equipe especializada em dor. Isso se você estiver preparado para trabalhar em equipe.

E quem deve coordenar a equipe? Essa resposta é simples: quem for uma boa liderança. Na minha opinião, alguém que não seja da área da saúde. Isso pode minimizar conflitos entre os profissionais de áreas distintas e acabar de vez com as disputas de poder e hierarquia existentes.

Na parte 2, iremos discutir o que cada um faz dentro de uma equipe interdisciplinar.

Artur Padão – Dorterapeuta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.