OS EFEITOS ANALGÉSICOS DO PALAVRÃO

Desde criança, lembro das diversas vezes que ganhei uma pimenta na boca ao falar algum palavrão. Não era a toa, é considerado falta de educação utilizar palavras de baixo calão (todo mundo diz “escalão”) e feio.

Muitos dizem que falar palavrão é uma forma de extravazar as energias. Soltar o verbo pode fazer muitos se sentirem melhor, ignorando o fato relacionado a educação. Boca suja de dor.

Ignorando qualquer etiqueta americana ou européia, pesquisadores estudaram os efeitos do palavrão no alivio da dor. Ao colocar a mão de voluntários em um balde de gelo, foi solicitado que metade deles poderiam falar palavrão a vontade e a outra metade deveria ficar quieto. O resultado foi que os boca sujas tiveram maior capacidade de tolerar a dor e muitos relataram menos dor durante a baixaria. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22078790

Surpreso com o resultado? Até parece que nunca nos sentimos bem falando um palavrão de vez em quando. Como explicar o alivo da dor?

Falar palavrão provoca habituação ao estímulo de gritar um palavrão. A habituação é o oposto da sensibilização, reduzindo a atividade neuronal por meio de um outro estímulo. O sistema nervoso meio que se acostuma com a baixaria…e pior que curte!

Falar palavrão ativa várias áreas do cérebro responsáveis pelas emoções (sem novidades né?). Talvez isso provoque uma reação de analgesia pelo estresse, comum em situações ameaçadoras. Dor e ameaça andam lado a lado.

Apesar do estudo acima ser antigo, hoje sabemos que é possível aliviar a dor provocando mais dor. Chamamos isso de modulação por dor condicionada. É quase que obrigar o sistema nervoso a liberar seus analgésicos naturais devido ao estresse provocado pela dor experimental. E isso funciona na prática.

Falar palavrão também é uma das formas de encarar o medo de situações. Isso faz com que a dor não seja algo tão relevante, pelo menos naquele momento.

Enfim, devemos então falar palavrão quando estamos com dor?

Se você sente falta de extravasar suas energias negativas, soltar a franga, botar tudo pra fora e descer os cachorros na dor ou manda brasa, então xingue, grite, berre, se esguele. Mas, lembre-se que num mundo como o nosso, a discrição é o melhor remédio. Nada de facebook, nada de twitter, nada de instagram. Entre no chuveiro ou piscina, faça o que tem que fazer, e tenha menos dor.

Pneumoultramicroscopicossilicovulcanoconiose
(maior palavra do mundo – palavrão)

Artur Padão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *