Os 7 pontos importantes da avaliação da dor

A avaliação da dor é uma arte, isso é inegável. Nem tudo o que se diz arte, é realmente entendido como arte. Uns concordam, outros não. Mas, para o artista, o seu trabalho é algo além de sua própria imaginação, como a dor. Isso significa que você pode fazer tudo certo ou simplesmente criar uma zebra sem listras. Confuso? Errar é humano, persistir no erro também, mas a dor não perdoa não.

Sim, é possível descomplicar a avaliação da dor. Sem churumelas, sem delongas e de uma forma simples. Caso você não esteja “na pilha” de usar questionários, instrumentos clínicos ou afins (o que é uma pena), veremos abaixo alguns ítens imprescindíveis às avaliações gerais sobre a dor.

São 7 ítens que você deve abrir os olhos, ficar de olho, olhar de outra forma e deixar ser olhado. Positivo 01?

1. Descrição da dor – – a forma com que o paciente fala sobre a dor tem características pra lá de marcantes: como dói, onde dói, quando dói e por ai vai.

2. Relação entre dor e incapacidade – – amigas, inimigas, colegas ou simplesmente mais uma pessoa ao passar na rua? Dor e incapacidade podem andar juntas, de mãos dadas, mas na dor crônica devemos observar a proporção entre quantidade ou características da dor com o grau de incapacidade funcional.

3. Estresse afetivo – – entender como as emoções, os comportamentos, o nível de estresse e o que se passa nas crenças pode influenciar os sintomas dolorosos, a capacidade funcional e tudo o que gera impacto na vida de uma pessoa com dor.

4. Atitudes de enfrentamento positivo – – como o paciente com dor encara sua dor, o que ele faz, como ele lida com isso. Se ele é mais pró ativo, se cuida, resolve seus problemas, e tudo o que for mais “pra frente”, então é positiva.

5. Atitudes de enfrentamento negativo – – idem acima, só que mais dependente, mais passivo, associado a mais momentos de imobilismo e necessidade de cuidado, então é negativa.

6. Suporte (ajuda) – – como os familiares, amigos, cuidadores ou pessoas próximas dão aquela força ou não, facilitando ou prejudicando a vida, sendo favorável ou desfavorável.

7. Nível de atividade – – aqui entendemos a quantidade de atividade que o paciente faz durante o dia: casa trabalho – trabalho casa, quantidade de exercício físico, deslocamento ao longo do dia, e por ai segue.

Maiores detalhes, é só cair dentro do inglês doloroso:

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2671316/pdf/prm13299.pdf

“Ainda lembro, o que eu estava lendo, só pra saber, o que você achou…”

Anote os 7 ítens da avaliação da dor e cole na geladeira!

Artur Padão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.