O ataque da hérnia de disco maldita

Talvez não exista um problema mais comum e mais temido a todos aqueles que sentem dor nas costas. A hérnia de disco faz parte do alto escalão dos problemas da coluna em todo mundo, contribuindo para o afastamento do trabalho e de uma série de outras atividades, inclusive levando a aposentadoria por invalidez.

Quase todo mundo terá dor nas costas e boa parte deste grupo terá uma hérnia de disco. Em boa parte das vezes, não sentirá nada (de 80 a 90% das vezes) e se não fizer nenhum exame de imagem, irá morrer sem saber disso. Há estudos que mostram que apenas 2% das hérnias de disco estão associadas a dor. E agora?

* Para sempre, hérnia?

“Corporalmente” falando, não!. As hérnias podem sim dar um passo para trás e pensar duas vezes antes de continuar perturbando a vida das pessoas. Ela pode regredir!

“Crençamente” falando, sim. A hérnia será uma amiga temida, irá atacar de vez em quando, será sempre um problema em potencial e a vida pode girar em torno dela. E tudo que vemos na mídia, no discurso de boa parte dos profissionais e nos próprios pacientes é um veredito oficial de que “o ataque da hérnia de disco maldita” pode ocorrer a qualquer momento.

* Se a hérnia é por nós, quem será contra nós?

Viver para a hérnia de disco é viver com limites impostos pela sociedade. Neste caso, ser um ponto fora da curva é um ótimo caminho para dar um “chega pra lá” na hérnia e nos “amigos da hérnia”. Nossa vida não pode parar por causa disso. Quando ciência e crença se confrontam na batalha final, quem vence é o comandante guru.

Infelizmente, a hérnia de disco é a virose dos problemas de coluna. A ciência diz o oposto, mas a boca do povo é mais forte. E em Roma, na época bem das antigas dos gladiadores, se dizia o seguinte: “conquiste o povo, conquiste Roma”.

Então, caso a hérnia de disco seja um grande aliado: “conquiste a hérnia, conquiste a dor”. E a escolha pela hérnia “dolorosa” é uma decisão do cliente!

Artur Padão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.