Fibromialgia: a nova moda diagnóstica brasileira

dor e fibroToda a vez que ouço a expressão “eu tenho fibromialgia” me dá nos nervos. Isso porque virou uma feijoada brasileira o “diagnóstico” de fibromialgia, se realmente for isso mesmo. O Brasil é o país com mais pessoas fibromiálgicas em todo o mundo e cerca de 3% da nossa população tem fibromialgia, segundo pesquisas quentíssimas.

Sinceramente, fico pensando em como o brasileiro adota modas que vem de fora com grande facilidade. E não seria diferente com “doenças” que estão na boca do povo. Dor lombar, por exemplo, está na nossa rotina, todo mundo tem ou terá alguma queixa de dor lombar. Mas, fibromialgia não. Quem recebe este diagnóstico, se sente até melhor por terem descoberto algo sobre as dores misteriosas.

Eu acredito que pessoas possam ter dor de forma intensa e incapacitante, que corre por todo o corpo, deprime, cansa, dificulta o sono e um monte de outras coisas. Mas, eu acredito num excesso de diagnósticos de fibromialgia. Não acredito no lugar que o Brasil ocupa. E, portanto, acho que as pessoas com dor em todo o corpo são tachadas de fibromiálgicas. Existe uma necessidade em transformar a dor crônica em doença crônica e isso não é nada bom.

Existem muitas falhas de informação, especialmente sobre a dor. Quase todas as matérias que estão disponíveis na internet sobre a fibromialgia falam de pontos dolorosos espalhados pelo corpo. Já toma logo o primeiro “pedala robinho”, pois se abandonou este critério há pelo menos 5 anos.

Precisamos parar de chamar dor de doença. Se dói o corpo todo, de forma intensa e intocável, significa que o sistema nervoso está no máximo de alerta vermelho. Mas, não necessariamente é uma doença grave. Aliais, é mais comum termos dor no corpo todo devido ao estresse, cansaço, fortes emoções, por gripe ou por uma noite mal dormida, na entrada na menopausa ou durante a tpm. São tantas opções, que isso me faz esquecer a fibromialgia.

Não podemos aceitar o rótulo de “fibromiágico” como está sendo colocado em nossa população. Se existe excesso deste “diagnóstico” existe alguma falha no processo de avaliação. Mesmo que você não concorde com nada do que foi falado acima, pelo menos olhe para os critérios que a partir de 2010 levaram a fibromialgia para um outro rumo.

São basicamente duas escalas: (1) são assinalados os locais em que a pessoa sente dor no corpo; (2) são assinaladas a intensidade de sintomas como fadiga, sono não reparador, sintomas somáticos, dentre outros.

Seria muito “forte” falar que fibromialgia não existe? Hummmmm!

Outra postagem forte sobre a fibro: https://dorterapeuta.wordpress.com/portfolio/eu-tenho-fibromialgia-e-isso-mesmo/

Artur Padão – Dorterapeuta

10 comentários sobre “Fibromialgia: a nova moda diagnóstica brasileira

  1. Quem dera vc esteja certo,fui diagnosticada,em 2004,por um médico,após sentir dores horríveis,e nada que tomasse passava,somente o miosan,o q tem forma de feijão,não me recordo agora os miligramas,mas,passados alguns anos,tenho crises,esporádicas e posso garantir,que o nome disso é fibromialgia!!!Essa dor,só quem tem sabe o nome!!!!

  2. Fui diagnosticada por um dos maiores especialistas em dor, há cada 6 meses ele ia até o Canadá para dar aulas sobre as pesquisas de dor. O diagnóstico foi em 1993. Esta dor se espalha por todos os lugares onde a musculatura é mais fina e não me deixa dormir direito ou ficar em cima de meus próprios pés. Estudo sobre o tratamento e os gatilhos que me disparam a dor há decadas; agora tratar isto como modista é insano e temerário, é a mais absoluta falta de respeito e só se presta a atrapalhar quem trata a fibromialgia como problema.
    Totalmente desnecessária esta página.

    1. Olá. O seu diagnóstico não foi questionado, mas sim a forma como a fibromialgia ocupa um espaço “sem ser a dona”. Dor em todo o corpo ganhou uma associação direta com fibromialgia pois está é uma condição extremamente misteriosa para de identificar e os profissionais de saúde ao redor do mundo pouco conhecem sobre este problema. Falta de respeito jamais, insano talvez. Hoje é mais fácil dizer que é fibromialgia pois está na boca do povo. Como eu escrevi, esta é a minha opinião. Abraço.

  3. Parabéns pela matéria, é sempre bom uma segunda ou mais opinião sobre qualquer assunto, principalmente sobre saúde. Abc

  4. Acho que só quem tem e sofre com estas dores sabe o que é fazer vários exames e nao ser detectado nada, e as vezes nao consegue ficar de pé com tanta dor.

  5. Tenho dores fortíssimas, e a ponto de chorar em baixo do chuveiro qdo estou no banho. Levanto todos os dias as 04:45 da madruga e vou ao trabalho, mas lhes falo uma coisa, não e fácil, qdo não é insuportável. Mas tenho que continuar pq depender do despreparo dos médicos em diagnosticar todos falam, e do despreparo dos peritos do nosso INSS alguém pode dizer alguma coisa?…

  6. Bom dia a primeiro olhar eu tbm fiquei tipo só quem tem a doresponsabilidade sabe o que é. Eu não vou negar que também duvidei ou duvido se tenho fibromialgia. Mas se não for não sei o que pode ser . Sinto dores horríveis pelo corpo que apesar de ter 30 anos eu tenho essas dores a no minimóvel 7 anos. Eu já fui em 4 Reumatologista, um delês me pediu tantodesculpas exames que eu com medo demorei quase 6 meses para fazer , pois ele falou que eu poderia ter lupus e me assustou. Doenças auto imunes não deu nada graças à Deus , mais deu alterações em fatores de informações. Coisa que quando parei para pensar nos últimos exames sempre dava isso de inflamação alterado, quando eu fazia exame de rotina ou quando fiz hemograma para saber se era Dengue. Eu realmente não aceitei um diagnóstico fácil. Fiz exames de sangue, ultrassom, raio X, ressonância , fui em neurologista, psiquiatra, psicólogos, ortopedistas e por fim um gastro pq acabei com muita estômago já que cada médico passava um ou dois remédios . Eu posso falar que não acho que os médicos estão realmente preparados para dar esse diagnóstico, e percebi que nem eles sabem muito sobre tema. Mas as pessoas são tantas com tantas dores tantos sintomas , e tipor assim como eu já cansaram de procurar uma resposta e sei lá talvez aceItam a fibromialgia por cansar de procurar. Eu msm com tantos remédios e fisioterapia, durmo muito mal e pouco acordou muito cansada e com dificuldade até de pisar no chão de tantas dores . A uma semana parei todo os remédios. Não estava resolvendo. Eu realmente não sei mais qual médico procurar. Não ligo se tenho ou não fibromialgia. Só estou cansada de não ter uma base noite de sono, de me sentir impotente até msm para limpar a minha casa, não ter vontade de fazer nada, ter uma triste e uma alteração de humor . Sei lá eu só queria não sentir tudo isso e viver tudo isso . Se for fibromialgia o que devo fazer para melhorar? Se não for o que pode ser ? Não quero mais essas dores não quero mais passar noiteste inteira sem dormir ou dormir 4 hrs e acordar toda quebrada.

  7. ACHO QUE VOCÊ NÃO SABE DO QUE ESTÁ FALANDO ….FALAR EM DESPREPARO DE MÉDICOS SIM…TUDO BEM, OU MÉDICO DE SUS DAR DIAGNÓSTICO SEM FAZER EXAME, TAMBÉM TUDO BEM, MAS FALAR QUE DOR GENERALIZADA NÃO É FIBROMIALGIA, ……COMO DISSERAM SÓ QUEM TEM É QUE SABE. TODOS OS MEDICOS QUE FUI ATÉ HOJE PEDIRAM VARIOS EXAMES PARA EXCLUIR OUTROS TIPOS DE DOENÇA E JUNTO COM O EXAME CLÍNICO CHEGARAM AO DIAGNÓSTICO DE FIBROMIALGIA. “FIBROMIÁLGICO” NÃO TEM estresse TODOS OS DIAS, cansaço TODOS OS DIAS, fortes emoções TODOS OS DIAS, gripe TODOS OS DIA, noite mal dormida TODOS OS DIAS, NEM TODOS ESTÃO NA menopausa OU tpm, MAS TEMOS “DOR TODOS OS DIAS”, esse é o grande mistério.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *