Como que eu tratava alguém antes?

dor e TTOAJoãozinho era um aluno mediano. Ora prestava atenção, ora estava viajando em seus pensamentos sobre a vida terapêutica. Trabalhou com grandes nomes do tratamento da dor, nomes famosos onde o que se fala, torna-se lei. E ele buscava vários cursos de final de semana para aprender. Vários métodos, conceitos, experiências e promessas de um mundo melhor aos pacientes.

E a cada curso, ele com seus míseros 2 anos de formado, pensada: “como que eu tratava alguém antes”? Talvez Joãozinho não entendesse o que realmente era “tratar” alguém. Talvez em seu entendimento, tratar fosse cuidar de doença, de patologia. Ou tratar era alongar músculos, estalar juntas, dar remédio. E assim nosso “juvena” sempre achava que não sabia nada.

O que é tratar alguém, se você na verdade não sabe de nada?

A cada conhecimento novo, um entendimento maior a respeito. Não se abandona o que aprendemos. E Joãozinho não conseguia organizar seus pensamentos. Pois a cada conhecimento novo, ele achava que não sabia nada. E o aluno, quando está atento e ávido a aprender, ele vai a luta. Mas, quando o professor guru lança seu encantador raio “gurumetizador”, Joãozinho tinha certeza que não sabia nada.

E todo mundo que Joãozinho atendeu em seus 2 anos de formado? Ele tratou mal? Errado? De forma injusta? Os pacientes devem processá-lo? Na verdade, “Little John” sabia sim o que estava fazendo. Porém, diante de um professor guru, ele encolhia o rabinho, pois sempre o guru sabe mais que o aluno. E assim, ele (“LJ”) estava sempre errado e não sabia nada.

Cuidar das pessoas é pensar na sua saúde e “empatizar” para ajudar o próximo. E se você um dia achar que não sabe nada, pois tem alguém que sabe mais que você, não se preocupe. O que é dos outros é dos outros e o que é seu é seu. E tratar alguém com um remédio novo, com um exercício novo, com uma manipulação nova ou um alongamento novo, faz de você um “update”…e nada mais!

E assim, tratávamos antes da mesma forma que tratamos agora: com carinho, dedicação, respeito e com cuidado! O resto é experiência e ciência!

Artur Padão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *